Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Religiosidade - Um passeio pelo Centro de Vitória

Igreja Matriz Nossa Senhora da Vitória

"As marcas exteriores da devoção estavam por toda parte. Nos nomes das igrejas, dos cais, e também nos nomes dos fortes, a vila estava entregue à proteção dos santos".

Carol Abreu - Vitória - Trajetórias de Uma Cidade.

 

Um passeio pelo Centro de Vitória dá uma dimensão da influência da religião em sua história e arquitetura. Influência ditada fortemente pela presença dos padres jesuítas — os primeiros a chegar, dentre as ordens religiosas que participaram da colonização do Espírito Santo. Igrejas edificadas, especialmente na Cidade Alta, são elementos próprios da infância da cidade.

O realce da presença dos jesuítas está expresso no Colégio Santiago, que se tornou a principal referência arquitetônica da Vila. Aos jesuítas cabia o papel de catequização e controle do cotidiano da população.

Também foi iniciativa dos jesuítas a criação das Confrarias da Caridade (1554) e da Piedade (1556), até hoje ativas. Essas confrarias comumente uniam devotos de um mesmo ofício ou de um mesmo grupo étnico. No século XVI havia em Vitória cerca de dez confrarias e ordens terceiras, ligadas a jesuítas e franciscanos. No século XVIII eram mais de 20 as irmandades.

As irmandades e o credo que professavam eram tão fortes que mesmo após a expulsão dos jesuítas foram construídas a igreja de São Gonçalo, erigida pela confraria dos homens pardos ou Confraria de Nossa Senhora do Amparo e da Boa Morte, e a igreja do Rosário, que abriga a devoção de São Benedito e foi construída pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.

Um passeio no Centro de Vitória transporta transeuntes a histórias de vidas que se entrecruzaram, na quase sempre difícil tarefa de construir uma cidade. Parte dessa labuta foi posta abaixo, mas o que ficou encanta. A Cidade Alta marca o princípio, com a Matriz de Nossa Senhora da Vitória, Capela Santa Luzia, Igreja de São Gonçalo, Igreja do Rosário, Capela Nossa Senhora das Neves. Próximo fica a Igreja do Carmo.

No enredo do tempo foram destruídas a Igreja de São Tiago, Igreja de São Francisco, Igreja da Misericórdia, Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha.

Matriz de Nossa Senhora da Vitória

O nome a matriz ganhou em homenagem à vitória dos portugueses colonizadores contra os índios goitacáses no início da colonização de Vitória. Fato acontecido a 8 de setembro de 1551, dia da padroeira da vila, santa de devoção de Vasco Fernandes Coutinho. Diz Elmo Elton que a data da construção da velha matriz confunde-se com a fundação de Vitória. A data na realidade registra a consagração da igreja que se iria construir, conforme registra Velhos Templos de Vitória e Outros Temas Capixabas, de Elmo Elton.

A matriz foi sede de atos de fé fervorosa e de tumultos. Passou por reformas e reconstruções. Em 1785 foi reformada, caindo depois em quase total decadência. Em 1918 foi demolida por ato D. Dom Benedito Paulo Alves de Souza. Com a demolição, muitas imagens e alfaias se perderam e a imagem da padroeira, de roca antiquíssima, desapareceu.

Quase no mesmo local, foi edificada a Catedral Metropolitana de Vitória. A construção iniciada em 1920, só foi concluída nos anos 70. Projetada em estilo neogótico pelo desenhista e paisagista Paulo Motta, com uma única torre ao Centro, a Catedral teve seu projeto inicial alterado devida ao longo tempo de paralisação das obras. André Carloni, nos anos 30, reiniciou as obras mantendo o estilo neogótico, mas com duas torres sineiras.

Igreja de São Gonçalo

Erigida possivelmente em 1707, a Igreja de São Gonçalo já foi conhecida como capela de Nossa Senhora do Amparo e da Boa Morte. Ganhou o nome São Gonçalo em 1766. As festas tradicionais da igreja, habitualmente precedidas de recitação do rosário e ladainhas, foram sempre a procissão de Nossa Senhora da Boa Morte, realizada em 14 de agosto, e a de Nossa Senhora da Assunção, no dia seguinte.

As procissões são acompanhadas por homens e mulheres da Arquiconfraria, que mantém cemitério particular no bairro de Santo António. A igreja de São Gonçalo é tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional desde 8 de novembro de 1948.

Igreja do Rosário

Vem dos primórdios da colonização a devoção por Nossa Senhora do Rosário no Estado. Em Vitória, a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, cuja data de fundação se desconhece, construiu a capela em 1765, após doação do terreno pela família do capitão Felipe Gonçalves dos Santos. Em menos de dois anos, a Irmandade concluiu a igreja de "pedra e cal".

São Benedito, santo venerado pelas Irmandades do Convento São Francisco e de Nossa Senhora do Rosário, foi estopim de uma rivalidade religiosa em Vitória protagonizada por caramurus e peroás - as facções, apelidadas com nomes de peixes comuns nas águas que banham Vitória, brigavam pelo direito exclusivo de venerar São Benedito.

A disputa iria subtrair a imagem do santo, postada no altar do Convento São Francisco. Em 23 de setembro de 1833, ela foi roubada por Domingos do Rosário, pelo africano liberto Antônio Mona e pelo crioulo Elias de Abreu e levada em procissão até a igreja do Rosário.

A Irmandade do Convento, inconformada, encomendou nova imagem para ser colocada no mesmo altar. Ofendidos, os irmãos do Rosário acirraram a rixa com os caramurus. Em seguida, as duas Irmandades passariam a dividir o ano: de 1º de janeiro até Corpo Christi, a vara de São Benedito ficava com os caramurus; no dia seguinte passava às mãos dos peroás.

Capela Santa Luzia

Construção mais antiga de Vitória, a capela Santa Luzia foi erguida por Duarte de Lemos, quando este recebeu a Ilha, para usufruto, de presente de Vasco Fernandes Coutinho. A igrejinha funcionou normalmente, embora em precário estado de conservação, até 1928. Em 1943, André Carloni foi encarregado de restaurá-la, nela se instalando o Museu de Arte Sacra. Em 1998 foi novamente restaurada pelo lphan.

 

Fonte: Centro de Vitória, Coleção Elmo Elton nº2 – PMV, 1999
Texto: Maria Cristina Dadalto
Fotos: Judas Tadeu Bianconi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2020

Igrejas

Vestígios de cemitério antigo em convento

Vestígios de cemitério antigo em convento

Escavações arqueológicas descobriram no Convento de São Francisco, no Centro de Vitória, uma montanha de 1,5 metros de ossos, guardados há décadas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Igreja de Santa Luzia – Por Elmo Elton

Assim se explica a construção da igreja de Santa Luzia, a mais antiga da cidade 

Ver Artigo
O Colégio dos Jesuítas – Outras obras

Não se sabe de onde veio o nome de Santiago dado à fundação jesuítica: se de alguma capelinha que existisse no local ou se traduzia uma recordação do dia em que talvez fosse abençoado o templo – vinte e cinco de julho de 1551

Ver Artigo
A Igreja de Santa Rita

Dom Luiz Scortegagna, criou a paróquia de Santa Rita de Cássia da Praia Comprida, desmembrada da paróquia de Nossa Senhora da Prainha de Vitória

Ver Artigo
Ação da Igreja na época Colonial – Por João Eurípedes Franklin Leal

Em Vila Velha, Afonso Brás cuidou de levantar uma igreja dedicada a de N. S. do Rosário, 1551

Ver Artigo
Patrimônio Cachoeirense - Por Gabriel Bittencourt

A Igreja do Senhor dos Passos, que recebeu as antigas imagens da primitiva matriz desaparecida em setembro de 1884

Ver Artigo