Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vasco Fernandes Coutinho

Franceses no porto de Vitória, 1558

Franceses no porto de Vitória, 1558

Estes, temerosos de um desembarque, mandaram “Simão Azeredo e mestre Náo, francês aqui morador e bom homem”, parlamentar a bordo

Belchior de Azeredo é feito capitão (1560)

Belchior de Azeredo é feito capitão (1560)

Curioso, muito curioso, é que o provimento dado pelo próprio Mem de Sá a Belchior de Azeredo fazendo-o capitão do E.S. é datado de três de agosto

Mem de Sá e a renúncia do Donatário Vasco

Mem de Sá e a renúncia do Donatário Vasco

O povo, que já estava resolvido a deixar a colônia, quando tomou conhecimento da atitude de Fernandes Coutinho, procurou o governador geral

Pessimismo de Mem de Sá para com Vasco Coutinho

Pessimismo de Mem de Sá para com Vasco Coutinho

O governador geral já tinha elementos para julgar a situação do senhorio de Vasco Coutinho e não vacilou em transmitir seu ponto de vista ao soberano

Morte do fundador – Traços de sua personalidade

Morte do fundador – Traços de sua personalidade

Vasco Coutinho faleceu em 1561, “tão pobremente que chegou a lhe darem de comer por amor de Deus, e não sei si teve um lençol seu em que o amortalhassem"

Coutinho viaja pela última vez para Portugal

Coutinho viaja pela última vez para Portugal

Foi o próprio donatário quem deu ciência dessa viagem a Mem de Sá, 1558

Vasco Coutinho de novo na terra – Maracaiaguaçu

Vasco Coutinho de novo na terra – Maracaiaguaçu

No primeiro quartel de 1555, Vasco Coutinho regressou à capitania 

Duarte de Lemos reaparece ainda uma vez

Duarte de Lemos reaparece ainda uma vez

Duarte de Lemos que era proprietário da ilha de Santo Antônio, coube-lhe oferecer algumas terras aos jesuítas para a construção do Colégio e mantimento dele

Tomé de Sousa visita a Capitania do ES

Tomé de Sousa visita a Capitania do ES

Um grande acontecimento foi a visita do governador geral, ocorrida em dezembro de 1552

Bahia, armazém do Brasil no período colonial

Bahia, armazém do Brasil no período colonial

Mandados de 04/03/1550, em que o provedor-mor autorizava o tesoureiro e o “Almoxarife dos armazéns, e mantimentos da Cidade do Salvador”