Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Demanda por minério fino gera construção de Paul e Tubarão

Porto de Tubarão - Foto: A Gazeta

Os portos alternativos foram nascendo à medida que a movimentação de cargas ia exigindo mais espaços

A necessidade da construção de outro cais, o de Paul, em Vila Velha, decorreu de uma mudança na demanda internacional de minério de ferro. Inaugurado em 1959, o Cais de Paul visava a atender a exportação de "minérios finos" por parte da CVRD, o que também exigiu a instalação de equipamentos mecanizados para o embarque deste tipo específico de produto.

Mesmo com o seu potencial de armazenamento e devido ao plano estratégico de exportação da Vale, os Cais do Atalaia e Paul tornaram-se insuficientes para atender às grandes quantidades de minério de ferro que precisavam ser exportadas, não permitindo movimentação de minério acima de 8 milhões de toneladas anuais, além do atracamento de navios acima de 40 mil toneladas.

TUBARÃO É INAUGURADO EM 1966

A Vale iniciou, assim, os estudos para a construção do Terminal de Tubarão, inaugurado em 1966, finalizando suas atividades com minério no cais do Atalaia. Posteriormente, a Administração do Porto de Vitória e a CVRD negociaram o uso do Atalaia para a comercialização de ferro-gusa a granel, atividade que permanece ainda hoje no porto.

Atualmente, o cais Eumenes Guimarães integra o Cais de Paul e está formado por dois berços: um arrendado à empresa PEIÚ S.A., para movimentação de granéis sólidos, e outro à Companhia Vale do Rio Doce, que continua operando exclusivamente com ferro-gusa.

Em janeiro de 2006, a PEIÚ teve uma movimentação de carga de 23,3 mil toneladas, através de 749 contêineres, e a CVRD exportou 137,3 mil toneladas de ferro-gusa. Juntas, as duas empresas contribuíram em janeiro com 24,27% do total de carga movimentada no Porto de Vitória — exceto os terminais de Praia Mole e de Barra do Riacho.

O Cais de Paul foi construído pela própria Vale e conta com um acostamento de 420 metros de comprimento, sendo atendido pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) e a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM).

ESPECIALIZAÇÃO

A expansão do acostamento portuário no lado continental da baía seguiu seu curso, na década de 50, em direção à ponte Florentino Ávidos, que liga Vitória ao continente, com a criação de um cais especializado em granéis líquidos nas proximidades do bairro São Torquato, em Vila Velha.

O Terminal de Granéis Líquidos (TGL) foi construído pela Administração do Porto de Vitoria, mas está arrendado às empresas Frannel e TA, distribuidoras de derivados de petróleo.

Atualmente, as instalações do TGL estão destinadas à movimentação de derivados de petróleo e álcool e recebem navios de até 162 metros, com profundidade máxima de 8,23 metros. O terminal está equipado para bombear 500 metros cúbicos de combustível por hora, com tanques para armazenamento de até 50 mil metros cúbicos.

No período de janeiro a dezembro de 2005, os produtos movimentados pelo TGL somaram 40,46 mil toneladas de combustíveis, um acréscimo de 19,82% em comparação ao mesmo período de 2004.

Além do Cais de São Torquato, que movimenta granéis líquidos, o porto de Vitória conta com um terminal especializado no movimento de tubos flexíveis e embarcações de apoio a plataformas de petróleo, administrado pela Flexibrás. A empresa atua no Terminal da Ilha do Príncipe, em Vitória, construído em 1986, com capacidade para receber navios de até 130 metros de comprimento, com calado de 6,70 metros.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, 100 anos do Porto de Vitória, 31/03/2006
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2015

Portos do ES

Complexo Samarco – Sistemas Antipoluentes

Complexo Samarco – Sistemas Antipoluentes

Técnicos da Samarco afiançaram que "todo o complexo está dotado de equipamentos antipoluentes, tanto no que diz respeito a água quanto à poluição do ar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A criação da Vale - Parte III (História da Vale)

A CVRD seria constituída como uma sociedade anônima, de economia mista, com capital inicial de 200 mil contos de réis. Sua diretoria seria composta por cinco membros: um presidente e dois diretores de nacionalidade brasileira e mais dois diretores norte-americanos

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte I (História da Vale)

Em 1º de junho de 1942, o Brasil estava imerso em uma crise institucional que tinha como ponto central a decisão sobre a entrada do país na Segunda Guerra Mundial

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

Firmados em 3 de março de 1942 e tendo como signatários os governos do Brasil, da Inglaterra e dos Estados Unidos, os Acordos de Washington definiram as bases para a organização, no Brasil, de uma companhia de exportação de minério de ferro

Ver Artigo
Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo