Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estradas do ES

Francisco Alberto Rubim

O Governador Francisco Rubim compreendeu que o problema da colonização do ES estava intimamente ligado ao do transporte. Inútil seria interiorizar o colono, fazê-lo produzir a abandoná-lo à própria sorte.

A ligação com o centro consumidor ou porto de mar era indispensável à sobrevivência dos que se aventuravam à conquista de novas terras. O interdito paradoxal, que a monarquia portuguesa proclamara contra as estradas de penetração, caira. Já não mais se aplicava o afismo dos retrógrados estadistas colonais do "quanto mais caminhos, mais descaminhos".

D. João recomendava aos Governadores da Capitania que se abrissem estradas e se tornasse navegável o Rio Doce. O intercâmbio entre Minas Gerais e o Espírito Santo assume caráter de imperativo político e econômico.

Depois de pacientes estudos, muitos dos quais feitos pessoalmente pelo próprio Rubim, em agosto de 1814, inicia-se a construção da estrada para Mariana e Vila Rica, numa extensão de 72 léguas. Foi o mais arrojado e temerário empreendimento praticado pela monarquia portuguesa no Espírito Santo. Chefiou o serviço o capitão Inácio Pereira Duarte Carneiro, oficial da tropa de pedestres, sediada em Vitória. Os que conhecem hoje a orografia e, notadamente, a orientação magnética, que norteia o rumo Vitória - Ouro Preto, podem avaliar as dificuldades superadas pela construção. Mata fechada, Serras conjugadas. Vales profundos e retorcidos, por onde botocudos trilhavam em suas astutas caçadas.

A atual rodovia Vitória - Belo Horizonte, BR-262 (antiga BR-31), intercepta-lhe o traçado várias vezes. Chamou-se "Estrada Nova de Rubim". Faz conjeturar a existência de outra anterior, de pior traçado e de pouca penetração. É bem provável que os primitivos colonos, que se dissiminaram pela terras de Cariacica e Mangaraí, tenham dobrado o divisor, em demanda do braço norte do Jucu, ou que os faiscadores de ouro do Caxixe e de Castelo houvessem aberto picadas para encurtar a caminhada até o porto de Vitória. A ocupação das fertilíssimas terras de Cariacica é anterior ao século passado. Depois da Independência, a estrada recebeu o nome de São Pedro de Alcântara em homenagem ao imperador Pedro I. Era um picadão aberto a foice e machado, com estivas e pontes de madeira, algumas importantes, tais como sobre o rio Jucu e José Pedro. A estrada, à medida que avançava, recebia a proteção de pequenos quartéis, distanciados de três em três léguas, guarnecidos de pequena tropa de infantes.

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Serafim Derenze

LINKS RELACIONADOS:

>> Origem do nome Vitória
>>
 
Origem das cidades do ES
>>
 
O porto de Vitória
>>
 
Rios do ES
>>
 
Rio Doce
>>
 
Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES
>>
 
Vila Rubim
>>
 
Jerônimo Monteiro
>>
 
Mercado da Vila Rubim  



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Garoto, um pouco de história

Garoto, um pouco de história

Nem sempre foi doce o sonho do Sr. Henrique Meyerfreund, fundador da Garoto. Para conhecer melhor a história da empresa, acompanhe a cronologia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viagens à Capitania do ES (Cap. I) - Por Bruno César Nascimento

Capítulo I - Brasil: entre o real e o imaginado

Ver Artigo
Introdução do livro Viagens à Capitania do ES

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
República , a grande transformação - Por Cristina Dadalto

No governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru

Ver Artigo
A urbanização do Centro – Por Cristina Dadalto

A capela demolida em 1894 deu lugar ao Hotel Império que depois se chamou Hotel Europa

Ver Artigo