Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Estradas do ES

Francisco Alberto Rubim

O Governador Francisco Rubim compreendeu que o problema da colonização do ES estava intimamente ligado ao do transporte. Inútil seria interiorizar o colono, fazê-lo produzir a abandoná-lo à própria sorte.

A ligação com o centro consumidor ou porto de mar era indispensável à sobrevivência dos que se aventuravam à conquista de novas terras. O interdito paradoxal, que a monarquia portuguesa proclamara contra as estradas de penetração, caira. Já não mais se aplicava o afismo dos retrógrados estadistas colonais do "quanto mais caminhos, mais descaminhos".

D. João recomendava aos Governadores da Capitania que se abrissem estradas e se tornasse navegável o Rio Doce. O intercâmbio entre Minas Gerais e o Espírito Santo assume caráter de imperativo político e econômico.

Depois de pacientes estudos, muitos dos quais feitos pessoalmente pelo próprio Rubim, em agosto de 1814, inicia-se a construção da estrada para Mariana e Vila Rica, numa extensão de 72 léguas. Foi o mais arrojado e temerário empreendimento praticado pela monarquia portuguesa no Espírito Santo. Chefiou o serviço o capitão Inácio Pereira Duarte Carneiro, oficial da tropa de pedestres, sediada em Vitória. Os que conhecem hoje a orografia e, notadamente, a orientação magnética, que norteia o rumo Vitória - Ouro Preto, podem avaliar as dificuldades superadas pela construção. Mata fechada, Serras conjugadas. Vales profundos e retorcidos, por onde botocudos trilhavam em suas astutas caçadas.

A atual rodovia Vitória - Belo Horizonte, BR-262 (antiga BR-31), intercepta-lhe o traçado várias vezes. Chamou-se "Estrada Nova de Rubim". Faz conjeturar a existência de outra anterior, de pior traçado e de pouca penetração. É bem provável que os primitivos colonos, que se dissiminaram pela terras de Cariacica e Mangaraí, tenham dobrado o divisor, em demanda do braço norte do Jucu, ou que os faiscadores de ouro do Caxixe e de Castelo houvessem aberto picadas para encurtar a caminhada até o porto de Vitória. A ocupação das fertilíssimas terras de Cariacica é anterior ao século passado. Depois da Independência, a estrada recebeu o nome de São Pedro de Alcântara em homenagem ao imperador Pedro I. Era um picadão aberto a foice e machado, com estivas e pontes de madeira, algumas importantes, tais como sobre o rio Jucu e José Pedro. A estrada, à medida que avançava, recebia a proteção de pequenos quartéis, distanciados de três em três léguas, guarnecidos de pequena tropa de infantes.

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Serafim Derenze

LINKS RELACIONADOS:

>> Origem do nome Vitória
>>
 
Origem das cidades do ES
>>
 
O porto de Vitória
>>
 
Rios do ES
>>
 
Rio Doce
>>
 
Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES
>>
 
Vila Rubim
>>
 
Jerônimo Monteiro
>>
 
Mercado da Vila Rubim  



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Ilha do Boi

A Ilha do Boi

Após a chegada de Vasco Fernandes Coutinho, donatário da capitania do Espírito Santo, ele fez a doação de duas ilhas: uma ao fidalgo D. Jorge de Menezes, hoje conhecida por Ilha do Boi, e a outra a Valentim Nunes, identificada por Ilha do Frade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo