Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Gil Vellozo

Gil Vellozo de braços cruzados ao seu lado o Governador Carlos Lindenberg e demais autoridades - Foto ilustrativa do acervo da Família Vellozo

Durante o governo de Gil Vellozo, de 1955 a 1959, a cidade de Vila Velha já contava com cerca de 30.000 habitantes, aproximadamente, e era notório o aumento da população. Gil Vellozo continuou a tarefa de calçar as ruas da cidade (começada na administração anterior, com o Prefeito Antônio Bezerra de Faria), trabalho que estendeu também aos bairros de Aribiri, Argolas e Coby. Na sede, prolongou a rua Antônio Ataíde, desde o Grupo Escolar Vasco Coutinho até o bairro Jardim Itapuã, e com isso deixava de existir a rua do Lixo.

Construiu o cemitério de Santa Inês, com área aproximada de 20.000 metros quadrados, e ampliou a necróple do Bosque, em Coby. Ajardinou e construiu um playground na praça Duque de Caxias. Fez aterro, construção, drenagem e calçamento na rua Francisco Lacerda de Aguiar, em São Torquato, de modo a evitar os constantes alagamentos provenientes do mangue próximo. Instituiu o comércio em feiras livres no município, prática adotada ainda hoje.

Apoiou a construção da Maternidade Nossa Senhora da Penha, em Jaburuna. Lutou pela retomada das áreas de terra do município em poder do Estado, após o misterioso desaparecimento do livro tombo do município, contendo a escritura do patrimônio territorial doado por Luíza Grinalda, quando sucessora de Vasco Coutinho Filho, seu marido.

Criou a Divisão de Engenharia e Serviços Públicos, órgão técnico responsável pelo planejamento e desenvolvimento urbano. Reorganizou o sistema tributário com reformulação do Imposto Territorial Urbano.

Em 25 de novembro de 1958, sancionou a Lei que devolveu o nome tradicional da cidade, que assim voltou a chamar-se, denitivamente, Vila Velha.

Em seu relatório de atividades administrativas, Gil Vellozo escreveu, de próprio punho:

"Vila Velha, com a sua população atualmente estimada em mais de 30.000 almas, que se espraiam em seus treis Distritos, os quais ocupam os seus 311 quilômetros quadrados de superfície, é um município difícil de governar e administrar.

Como filho da terra, aqui nascido, em que pese os transtornos e as dificuldades, sentimos que cumprimos razoavelmente o nosso dever no ensejo desta data em que encerramos o nosso ciclo governamental e estamos aptos a transferir as rédeas da administração municipal ao nosso digno sucessor – Dr. Tuffy Nader.

Julgue-nos, portanto, o bom Deus, se por acaso os homens não o quizerem fazer."

 

Fontes:
 

- Relatório de Atividades Administrativas (1955-1959), pag. 04
- Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo - Jair Santos – Pag. 196

 

 

LINKS RELACIONADOS:

 

 >> Gil Vellozo - Prefeito de Vila Velha

>> O menino Gil Vellozo




GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Jeanne Bilich

Jeanne Bilich

Nasceu em 12 de outubro de 1948, no Rio de Janeiro. Jornalista, radialista, advogada. Mestre em História Social das Relações Políticas pela UFES

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

José Luiz Pipa Silva: a gozação - Por Sérgio Figueira Sarkis

José Luiz Pipa Silva, ou Pipa, como todos o tratavam, era de rara inteligência

Ver Artigo
Jayme Fernandes Figueira - Por Sérgio Figueira Sarkis

Ficou em Recife até 1925, quando o destino o fez encontrar o senhor Anthenor Guimarães

Ver Artigo
O Dial Capixaba – Por Maria Lúcia da Silva

Nessa conjuntura, nasceu em Vitória a primeira emissora em freqüência modulada, a Cariacica FM, inaugurada em 1975 

Ver Artigo
O Tribunal de Contas – Por Eurico Rezende

Cogitada desde o início do Império, a criação de um órgão de controle orçamentário e financeiro só se verificou em 1890, mercê do gênio de Ruy Barbosa

Ver Artigo
Liberalismo e Solidarismo – Por Eurico Rezende

Estão registrados, quer em passado remoto, quer em época recente, antes de encerrar minha carreira eleitoral

Ver Artigo