Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nas trilhas do Mestre Álvaro

Ele está lá, imponente, e pode ser visto de qualquer lugar da Serra. É o Mestre Álvaro, o grande anfitrião do município. E como é bonito vê-lo ao entardecer, quando o sol se põe e forma atrás da montanha aquele vermelho-alaranjado. Imagine então, ver esse cenário do seu topo. Sim, é maravilhoso (mas só suba com um guia).

Aliás, para descobrir os segredos dessa montanha, nada melhor do que conversar com os antigos moradores da região, que contam que o monumento recebeu esse nome porque ali morava um mestre de carpintaria, de nome Álvaro, e quando alguém desejava algum serviço dele, dizia: "Vou no Morro do Mestre Álvaro".

Além disso, os nativos explicam que ele serve de orientação aos pescadores, que se sentem seguros de seguirem pelo mar enquanto conseguem ter ao alcance dos olhos o topo do Mestre, que chamam de "Mestre Alvo".

Uma lenda sobre o morro envolve duas tribos indígenas inimigas: temiminós e botocudos e um jovem casal pertencente a elas, o índio Guaraci e a índia Jaciara. Eles foram transformados por Tupã em duas montanhas, Mestre Álvaro e Mochuara, a última em Cariacica, por terem sido impedidos de viver sua história de amor. Conta-se que nas noites de São João um pássaro de fogo vai do Mestre Álvaro ao Mochuara para abençoar o amor eterno dos dois.

Lendas à parte, no entorno do Mestre ÁLvaro pode-se fazer um delicioso roteiro pelas propriedade rurais, que abrem suas porteiras à visitação, com direito a degustação de produtos caseiros. São três: Pitanga, Muriceba e Garanhus.

Fonte: A Gazeta (27/01/2010)

LINKS RELACIONADOS:

>> Imperador por um dia 
>> Heranças dos índios
>>
 
Índios selvagens e civilizados
>>
 
Influência indígena no ES
>> 
Por quê Morro do Moreno?



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Madrugada Chuvosa – Por Areobaldo Lellis Horta

Falava-se, à boca pequena, haver o comandante do 3° Batalhão de Infantaria, recebido ordem para depor o presidente do Estado e ocupar o Palácio

Ver Artigo
Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo