Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Bairro Ibes

Imagem aérea do bairro Ibes

O Instituto do Bem Estar Social (IBES) foi uma instituição criada pelo governo do estado do Espírito Santo com a finalidade de planejar e administrar empreendimentos voltados para o desenvolvimento social.

Quando o executivo inaugurou a rodovia Carlos Lindemberg, em 1951, ligando Vitória a Vila Velha, planejou construir no município vizinho um conjunto de casas para diminuir o déficit de moradias para funcionários inscritos nos programas sociais dos seus respectivos órgãos. Dentre esses órgãos estavam o IAPC (Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Comerciários), o IAPI (Instituto de Aposentadoria dos industriários), o IJM (Instituto Jerônimo Monteiro, dos funcionários do Estado do Espírito Santo) e outros, num total de seis organizações.

A Fundação da Casa Popular, criada no governo do general Eurico Gaspar Dutra e com sede no Rio de Janeiro, foi convidada para planejar, construir e vender o que viria ser o Núcleo Alda dos Santos Neves. O projeto coube ao arquiteto Renato Sá, que optou pelo modelo S3QCB da Fundação, cujas unidades, em dois pisos, eram compostas de sala, três quartos, cozinha e banheiro. A equipe de planejamento e vendas encarregou-se do levantamento do terreno e do custo das unidades habitacionais. Assim, foram construídas 244 unidades e fixado o valor de cinqüenta e oito mil cruzeiros para cada uma.

No plano geral, cada instituição ocuparia uma área trapezoidal, que em conjunto formariam a figura de um grande hexágono, sendo o espaço interno reservado para uma ampla praça central. O Instituto Jerônimo Monteiro ocuparia também as áreas laterais da avenida principal que liga o Núcleo à rodovia Lindemberg.

Só depois, durante o andamento da construção, constatou-se que o custo de cada unidade não seria compatível com o nível salarial dos funcionários. Com a revisão dos cálculos a Fundação da Casa Popular decidiu oferecê-las a outras camadas da sociedade, que as adquiriu nas seguintes proporções:

a) – Trabalhadores autônomos: 20%
b) – Órgãos e instituições públicas: 20%
c) – Funcionários e empregados em geral: 60%

O projeto contou com o apoio do sucessor no Palácio Anchieta, o governador Lacerda de Aguiar, e com as profícuas administrações dos presidentes Moacyr Lofêgo e Guilherme Santos, advogados.

O Núcleo foi projetado e construído suficientemente afastado da rodovia, que seria a principal via de ligação entre o município e a capital. Além do benefício social, o conjunto tornou-se obra modelar, porque foi concluída sem que qualquer serviço ou apoio de infra-estrutura fosse debitado à Prefeitura Municipal. Foi entregue tendo todas as ruas calçadas em paralelepípedos, com iluminação pública completa, rede de distribuição de água em todas as casas e serviços, correta drenagem pluvial, biblioteca central, prédio destinado a escola pública, centro comercial e mercado, além de amplo espaço destinado ao jardim público. Aos moradores não faltou a concessão de transporte coletivo por empresa particular, que interligou o núcleo aos centros de Vila Velha e Vitória.

Todavia, para o combalido erário da prefeitura de Vila Velha foi um empreendimento que não trouxe benefícios, porque além de ocupar grande área pertencente ao patrimônio público, ficou isento do imposto predial. Conforme decreto-lei municipal, a Fundação da Casa Popular só poderia construir em áreas doadas, ficando as casas isentas de impostos e taxas até que fossem totalmente pagas ou transferidas definitivamente aos promitentes compradores. 

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo
Autor: Jair Santos



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Itapoã

Itapoã

Apenas quatro casas rodeadas de muito verde e árvores frutíferas. Assim era Itapoã, em 1965. Só mato, capoeira pura. Existiam também mais três casas em construção.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os nomes de ruas do bairro São Pedro – Por Geert A. Banck

Muito interessante é o caso da rua do Grito, uma inversão política da liderança comunitária, o povo foi sempre oprimido, mas agora chegava  a hora da “nossa” independência, do “nosso” grito: do “grito do povo”

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Avenida Florentino Avidos (ex-rua do comércio)

A primitiva rua do Comércio, que data do século XVII, tinha começo na General Osório e ia até o cais Schmidt

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo