Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

Pedra dos Dois Olhos Frei Leopardi

Pico verdadeiramente impressionante, pelo aspecto e forma bizarra, prende de imediato a atenção, pois raro é contemplar-se coisa igual. Para os que buscam no estudo das rochas desvendar os arcanos das idades o campo é ali vasto e profícuo.

Em meio a um anfiteatro de montanhas ergue-se altivo e sobranceiro; soberano inconteste, sem temer quem lhe dispute o cetro. O cabeço rochoso, o pico propriamente dito, alcança pouco mais de uma centena de metros na parte em que, audaciosamente, se projeta para o céu; enquanto as bases se aprofundam na espessura verde da montanha que lhe serve de base.

A rocha é uma formação gnáissica em franca decomposição, não só atacada por agentes químicos, que lhes esfoliam as paredes, como pela ação eólica.

Com exceção da parte sul, quem o fitar acreditará estar contemplando um bloco inteiriço, homogêneo, o que está longe da verdade. Divide-se ele em seções. A maior a leste, onde se encontram as curiosas cavidades, duas portentosas cavernas. Logo após a maior a pedra fende-se de alto a baixo, formando a seção norte, que se assemelha a imponente torre de castelo medieval. Pela parte sul a fenda se apresenta bastante desenvolvida, espécie de chaminé, isolando do corpo principal considerável porção da escarpa. No sopé da rocha, tendo como respiradouro a chaminé, forma-se estreita gruta, origem das histórias de tesouros ocultos.

Procuramos com este rápido esboço geográfico e geológico dar idéia do lugar, palco do fato que vamos narrar, com as suas cores naturais e sugestivas.

Virada para o nascente a face principal cai lisa e a pique. Quase no meio, a uns setenta metros do solo, abrem-se as duas enormes cavidades, circulares e profundas. Uma muito grande e a outra um pouco menor. Embora arriscado, o acesso primeira, a menor, se faz por largo rebordo que se vai estreitando ao aproximar-se dela. O espaço que as separa é grande e lisa a superfície da rocha, pintalgada de gravatás, desafiando os audazes.

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi, extravagância de cartógrafo ou simples erro de grafia. O certo seria Frade ou Leopardo. Dois nomes distintos à escolha. Frade, porque visto de um ponto a sudeste, lembra um monge embuçado. Observado das bandas do sul, assemelha-se a um leopardo sentado sobre os quartos trazeiros, emprestando-lhe os gravatás, a pigmentação característica.

São também outros os nomes: Pico de Jucutuquara e Pico João de Leão. Este pouco conhecido e a ele se prende mais uma história de tesouros. João de Leão, exilado espanhol, chegara a Vitória não se sabe como. Arredio, esquivo, quis fugir ao convívio de todos e naquele monte buscou refúgio. Naqueles tempos, meados do Século XIX, tudo ali era mato, um fim de mundo.

O tempo que ali viveu não se sabe. Como chegou sumiu sem deixar vestígios.

Como de se esperar, surgiu o conto de dinheiro enterrado. Os curiosos não tardaram em subir o morro e embora rebuscassem em todos os sentidos de lá voltaram com as mãos vazias.

Passaram-se os anos, um século ou mais, quando outra enigmática figura aparece, um padre. Todas as manhãs subia o morro até a pedra de onde só descia à noite. Assim procedeu dias seguidos até desaparecer misteriosamente. Os curiosos foram ao morro e vasculharam a pedra a fim de saber que ali estivera fazendo o forasteiro.

Corno explicamos, não é a rocha um bloco homogêneo. Na sua base abre-se pequena gruta de onde parte a chaminé que vai ter ao cume, dividindo-a em duas partes. Ali encontraram uma picareta e no paredão as suas marcas, pois lá estava cavado um buraco de alguma profundidade. Daí a lenda de que o homem, nortista, tivera um sonho, revelação do tesouro ali escondido.

Quando da elaboração de uma monografia sobre o Pico Frei Leopardi, tivemos a oportunidade de constatar a cavidade e as marcas da picareta. Quanto ao buraco julgamo-lo natural da rocha.

Muitos anos após o ocorrido, um Sr. Martins, português de origem e espírita convicto, contou-nos do tesouro uma história rocambolesca da qual fora protagonista. Chamado para desvendar o mistério e com os seus exorcismos afugentar os maus espíritos de guarda ao tesouro, para lá seguiu certa manhã. Com muito sacrifício chegou à cumeada da pedra, sacrifício em parte recompensado pela perspectiva magnífica de ver Vitória aos seus pés e a alguns dos Municípios vizinhos. Com o roteiro que possuía iniciou os trabalhos. Tudo corria às maravilhas e indicava estar próximo o sucesso. O ouro estaria sob o enorme bloco que se destacava do corpo principal da pedra. Ao aproximar-se de uma fenda oculta pela vegetação, provavelmente o esconderijo procurado, eis que rubro de cólera surge irado frade que parecia lançar chamas pelas pupilas incandescentes. Soltando gritos pavorosos, que foram ouvidos lá embaixo no bairro, expulsou-o de lá com o incêndio que fez lavrar nos matos que cobriam o cume.

A custo escapou do incêndio e das pedras que lhe foram lançadas pelo satânico monge quando em fuga pela perigosa e difícil descida.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Conversa Barrense - Por Bernadette Lyra

Conversa Barrense - Por Bernadette Lyra

Quando esta crônica estiver publicada, já passou do tempo em que, numa camurcenta tarde cor de milho dourada, Hermógenes Fonseca voltou de uma vez para Conceição da Barra

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza 

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo