Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Treca e a Miséria - Por Helio de Oliveira Santos

Capa do Livro Estórias de Boemios e Outras Estórias

No Rio, nos tempos dos Cassinos da Urca, Copacabana e Atlântico eu fazia ponto no Bar Alcazar, que juntamente com o Bar Alvear, na Av. Atlântica eram os dois mais famosos de Copacabana.

Minha turma, no Alcazar, era composta de lúcio Schiler (ex-Secretário da Fazenda no Est. do Rio no Governo Chagas Freitas) seu irmão Eduardo, o Átila Carvalho Pinheiro, cujo padrasto era dono da Empresa de Águas de São Lourenço, o Heleno de Freitas, o famoso centro Avante da Seleção Brasileira, o Major Paulo, Pirica, grande ponta esquerda do Futebol carioca e outros.

No Alvear que ficava no Posto Três, era frequentado, pela turma que mais tarde se intitulariam: a Turma dos Cafagestes, integrada pelo Baby Pignatari, Edú, aviador, que com sua morte gravaram aquela música "Zum, Zum, Zum, está faltando um!" O Mariozinho de Oliveira e outros play boys conhecidos na época.

Foi no Alcazar que um dia apareceu o Treca. Rapaz alegre, simpático, caiu logo no gosto da turma. Ele era "Book-maker", do Jochey Clube Brasileiro. Recebia as apostas, no seu escritório por telefone, daqueles que não queriam ir no Hipódromo, ou não queriam sair de casa, e depois mandava-as levar nas casas dos clientes, e ganhando sua comissão.

Aí pelos idos do ano de 1944 vim para Vitória e passei uns quatro anos sem ir ao Rio.

Quando voltei ao Rio de Janeiro fui assistir na Boite Night-And-Day, localizada no Hotel Serrador na Cinelândia, um show do Carlos Machado. Estou sozinho na minha mesa esperando o show, quando olho e vejo logo adiante, numa roda de amigos o Treca.

Chameio-o para a minha mesa e foi aquela festa! Abraço pra lá, prá cá e perguntei a ele como ele tinha andado nesses anos que não nos vimos. Resposta dele:

— Hélio, nesses quatro anos, andai numa miséria que "fazia" até gosto!!

Foi a primeira vez na minha vida, que vi um sujeito achar que andar na miséria fazia gosto!

Felizmente ele já estava melhorando de vida.

 

 

Fonte: “Estória de Boemios e Outras Estórias” - 1978
Autor: Helio de Oliveira Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tipos populares de Vitória antiga

Rainha das FloresAgapitoMeio-FioOtinhoDr. AgaDeixa que eu ChutoPé de Chumbo.

Ver Artigo
Gilberto Mota e os Ovos - Por Helio de Oliveira Santos

Gilberto Mota tinha um conhecido que criava galinhas, lá para os lados de Cariacica

Ver Artigo
Francisco de Paula Nei - O maior dos boêmios

O professor, Visconde de Saboia, deu-lhe um tremendo 0, e mandou-o retirar-se da sala

Ver Artigo
Olympio Brasiliense e as Brahmas

Certo dia estávamos jogando "buraco" no antigo Bar Glória, na nossa saleta reservada

Ver Artigo