Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Namorados de Vila Velha

Os rapazes acompanhados por violões, cantavam as mais belas melodias em que extravasavam seu amor, sua paixão, debaixo da janela da sua amada

Felizes os jovens do passado que sabiam apreciar a beleza do luar que, prateando todas as coisas com a sua suave luz, tornava as noites cheias de encanto e poesia.

Inspirados pelo esplendor dessas noites enluaradas, mergulhadas no silêncio, quebrado apenas pelo farfalhar das folhas acariciadas pela brisa amena, os rapazes acompanhados por violões, cantavam as mais belas melodias em que extravasavam seu amor, sua paixão, debaixo da janela da sua amada.

Geralmente as serenatas eram realizadas pelos moços que, algumas vezes, se faziam acompanhar por senhores. Entre os mais famosos seresteiros da Vila Velha antiga encontravam-se: Antônio e Arnaldo Barcelos que nos violões acompanhavam a flauta de Cleto Rodrigues. Formavam um trio apreciadíssimo que arrastava um bom número de admiradores pelas ruas de Vila Velha.

Quanta poesia, quanta beleza, quanto lirismo no coração dos antigos!... Com que ternura cantavam em dueto:

“Leonor, tu és mimosa,
Qual lua ermosa, no céu azul...
És linda como os passarinhos
Mais bonitinhos que vêm do sul.
Não vês quem por ti chora?"

 

“Há dias que eu passo na vida,
Como as folhas que o vento levou.
Foram dias da vida ditosa,
São saudades que o tempo deixou.

Como são lindos os teus cabelos,
Como são lindas as tranças tuas,
Só parecem cabelos roubados
Da existência da noite sem lua.”

 

Tinha-se a impressão de que eram vozes celestes, embalando os sonhos dos jovens.

Enlevando suas namoradas ou, algumas vezes, num preito de fidelidade àquela que lhe dera os filhos – a esposa – jovens e senhores, unidos pelo mesmo sentimento – o amor - dedicavam às suas amadas, belas melodias com estas:

"É chegada a triste hora da partida
Eu não sei como deixarei os carinhos teus.
Dá-me tua mão por despedida
Adeus meu anjo, eu vou partir, adeus...adeus

Ai não chores que ainda hei de voltar,
hei de voltar para gozar amores teus.
Dá-me tua mão por despedida
Adeus meu anjo, eu vou partir, adeus...adeus" 

 

Livro: Vila Velha de Outrora, Pesquisa sobre as tradições de Vila Velha, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho,junho/2012

Vila Velha

Estréia da Orquestra Canela Verde

Estréia da Orquestra Canela Verde

Foi hoje, 21.8.2011 às l7h o lançamento da Orquestra Canela Verde em apresentação no Santuário do Divino Espírito Santo, com a presença de bom público

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde funcionava 24h

Ver Artigo
Antônio Francisco Athayde – Por Seu Dedê

Doutor Antônio Francisco de Athayde foi prefeito de Vila Velha no período de 1918 a 1921

Ver Artigo
Vila Velha, a Cidade, sua História – Por Seu Dedê

O geólogo canadense Charles Frederick Hart, visitou Vila Velha no ano de 1865

Ver Artigo
Toca – Por Seu Dedê

Depois de Ernesto Goggi David vinha o terreno e residência de Gil Bernardes da Silveira

Ver Artigo
Abissínia – Por seu Dedê

Não se diria que era um bairro. O lugar hoje é conhecido como Rua Araribóia, fica logo atrás do Cemitério Municipal

Ver Artigo