Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os primórdios do Convento da Penha

Cúpula do Convento da Penha - Foto: Terê Thomazini

Fato comovente, nos registros da Penha foi, sem dúvida, a romaria dos jesuítas Inácio de Tolosa, Luiz da Grã e outros companheiros, em 1573. Foram agradecer a Nossa Senhora da Penha o salvamento de suas vidas, no naufrágio do navio, na foz do Rio Doce. Haviam partido de Vitória, a 28 de abril. Impossibilitados de prosseguir a viagem, regressaram àquele porto e esperaram cinco meses a construção de outro transporte.

Em 1584, realizou-se nova romaria de sacerdotes jesuítas, que viajavam para, com o Visitador Cristóvão de Gouvêa, percorrer as missões da Companhia no Brasil. Saíram de Lisboa a 5 de março de 1583. Chegaram à Bahia, em 9 de maio do mesmo ano. A 14 de novembro de 1584, partiram para o Sul e, em consequência do mau tempo, somente a 21, aportaram ao Espírito Santo. Tiveram, em Vitória, festiva recepção, descrita, minuciosamente, no "Tratado da Terra e Gente do Brasil".

Foram à Penha.

Dessa romagem, então indispensável aos visitantes da Capitania, o nomeado cronista e ilustre jesuíta Fernão Cardim deixou o seguinte relato: "- Na barra deste porto está a ermida de Nossa Senhora da Pena de Sintra, por estar fundada sobre altíssima rocha de grande vista para o mar e para a terra. A capela é de abóboda pequena, mas de obra graciosa e bem acabada. Aqui fomos em romaria, dia de Santo André, e todos dissemos missa com muita consolação. Este dia nos agasalhou o Sr. Governador com muita caridade".

Passado algum tempo, desejoso de incrementar a religião católica no ES, o segundo donatário, Vasco Fernandes Coutinho Filho, pediu ao Custódio, na Bahia, Frei Sebastião de Santa Catarina, que mandasse religiosos para sua capitania. Morreu, porém, a 5 de maio de 1589, amtes que se realizasse tão piedosa aspiração. Mas, a Srª Luiza Grimaldi, sua viúva e substituta no governo, o Capitão Miguel de Azeredo, adjunto da Governadora, o vigário ouvidor na Vara, Pe. Francisco Pinto, Marcos de Azeredo e outras pessoas distintas receberam festivamente os dois sacerdotes Franciscanos, que chegaram a Vitória em novembro do mesmo ano - Frei Antônio dos Mártires e Frei Antônio das Chagas.

Tratava-se de certo, do primeiro passo para o estabelecimento de um cenóbio na Capitania. Vieram os referidos religiosos examinar as condições do novo meio que se lhes oferecia para o trabalho da salvação das almas. Hospedaram-se na casa de Marcos de Azeredo. Regressaram a Olinda, dois meses depois e levaram informações favoráveis ao estabelecimento da Ordem no ES.

Vieram definitivamente em fins de 1590 e chegaram a Vitória em janeiro de 1591. Estabeleceram-se nessa Vila. Decidiram então, as autoridades da Capitania entregar-lhes a Ermida das Palmeiras. Devidamente autorizados pelo Custódio da Ordem, aceitaram essa preciosa dádiva, cuja escritura foi assinada a 6 de desembro de 1591.

Constitui essa resolução da Governadora Luiza Grimaldi mais um feito notável da sua esclarecida e prudente administração.

 

Fonte: Relicário de um povo - O Santuário de Nossa Senhora da Penha, 1958
Autor: Maria Stella de Novaes

Convento da Penha

Frei Pedro Palácios - Predestinação

Frei Pedro Palácios - Predestinação

Foi assim que, no ano de 1558, desembarcando no porto de Vila Velha, pisou Pedro Palácios as terras capixabas

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Origem do nome Convento da Penha

Nossa Senhora da Penha era o cognome da Nossa Senhora dos Prazeres ou das Alegrias, amplamente venerada pelos fiéis que cultuavam Maria Santíssima. Os antigos portugueses a veneravam como Nossa Senhora da Penha de Cintra,

Ver Artigo
História da Festa da Penha

A Festa da Padroeira dos capixabas sempre foi o principal acontecimento religioso de Vila Velha. Segundo a Lei nº 7, de 12/11/1844, o dia da Festa da Penha passou a ser considerado feriado em toda a Província do Espírito Santo

Ver Artigo
Carta de doação do Convento da Penha

A Governadora Luiza Grimaldi e seu Adjunto, Miguel de Azeredo, e oficiais da Vila da Vitória, e assim os da Câmara desta Vila do Espírito Santo da dita Capitania que este ano de noventa e hum servimos, etc. Fazem saber...

Ver Artigo
Festa da Penha (2005) - Por Mônica Boiteux

Em tempos idos, a Festa da Penha era o maior evento das Famílias de Vila Velha. Rendas brancas e flores nas janelas, as casas da Prainha se arrumavam para saudar a passagem da Santa

Ver Artigo
Santificado seja o vosso nome, Benemérito Frei Palácios!

No convento da Penha, um dos mais belos, dos mais notáveis monumentos de Fé Católica do Brasil, em todos os tempos o de maior veneração do povo espirito-santense, acaba de realizar-se a tradicional festividade em homenagem à  Padroeira do Estado 

Ver Artigo
A Festa da Penha

A primeira Festa da Penha - como já se disse - foi realizada ainda em vida de Frei Pedro Palácios, que a promoveu. Escolheu ele a segunda-feira depois da dominga de Pascoela, dia consagrado, então, à devoção franciscana de Nossa Senhora dos Prazeres.

Ver Artigo
Oratório à Nossa Senhora da Penha - Por Walter de Aguiar Filho

Clementino era católico fervoroso, por isso logo depois que construiu sua cabana, ergueu um oratório à Nossa Senhora da Penha de frente para o Convento da Penha

Ver Artigo
As Ruínas do Convento

Subindo os degraus do convento, logo após o patamar do Museu e da Sala dos Milagres, um portão no muro mostra uma surpreendente paisagem: Vila Velha na altura da Praia da Costa, a vegetação atlântica, a subida da ponte que liga o município a Vitória e logo ali, aos pés do visitante, uma área gramada com ruínas.

Ver Artigo
O Místico e o Convento da Penha

O primeiro donatário ainda era vivo. Velho, doente e cansado, sobre ele desabavam as mais difíceis atribulações de sua vida. Exatamente nessa época, no ano de 1558, desembarca na Prainha de Vila Velha o franciscano irmão leigo frei Pedro Palácios.

Ver Artigo