Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Capitania do ES e os Jesuítas

Remodelação do Palácio Anchieta em 1910.

A Capitania do Espírito Santo não chegou a se constituir numa empresa inviável, conforme se pode inferir dos escritos dos primeiros cronistas da nossa historiografia tradicional. Agricultores, rendeiros, senhores de engenho e comerciantes movimentaram a produção açucareira e o comércio que mantiveram os funcionários – escrivães, tesoureiros, provedores, almoxarifes, juízes e vereadores, entre outros que compunham a máquina administrativa encimada pelo capitão-donatário. A estes juntaram-se desde o início os sacerdotes jesuítas, responsáveis pela catequese e pela educação, atraídos não só pela perspectiva de administração da grande massa indígena mas também pela viabilidade os empreendimentos econômicos que lhes garantisse a sobrevivência, conforme ficará atestado posteriormente com as fazendas de Muribeca, Itapoca, Araçatiba e Carapina; unidades econômicas especializadas na produção em larga escala da pecuária, da farinha de mandioca, do açúcar e da policultura. É dentro desta conjetura que se desenvolverá a obra missionária dos jesuítas, particularmente de Anchieta, contribuindo, destarte, para atenuar o embate entre as duas etnias em conflito – ameríndios e europeus.

Foi graças ao Colégio dos Jesuítas que aqui estiveram inúmeros desses religiosos que deixaram, nas suas cartas, as impressões tão caras à historiografia colonial. A começar pelo próprio pe. Manoel da Nóbrega, em 1560, que, conforme Levy Rocha (1977), não fora menos gentil com o Espírito Santo que os que o precederam, afirmando: “Esta Capitania se tem por a melhor cousa do Brasil depois do Rio de Janeiro..” Entretanto, noutra carta que escrevera anteriormente, consignou: “...Outro pecado nasce também desta infernal raiz, que foi ensinarem os cristãos ao gentio ao furtarem-se a si mesmos e venderem-se por escravos. Este costume, mais que em nenhuma outra capitania, achei no Espírito Santo”.

Fonte: Palácio Anchieta: de colégio à casa de governadoria, 2000
Autores: Gabriel Bittencourt e Nádia Alcuri Campos

LINKS RELACIONADOS:

>> Uma Capitania atribulada
>>
 
Os pioneiros: Degredados
>>
 
Capitanias hereditárias  
>>
 
Capitanias ou Feudos? 
>>
 
Mês da Colonização do Solo Espírito Santense 
>>
 
Engenhos de açúcar no ES
>>
 
Navegantes da Costa do ES
>>
 
Bem vestidos, mas fedorentos!
>>
 
200 Anos da Família Real no Brasil  

História do ES

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo