Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A dupla do milagre - Christiano Dias e Arthur Gerhardt

Christiano Dias Lopes Filho e Arthur Carlos Gerhardt Santos

De 67 a 75 eles construíram um novo Estado

Para mostrar que as dimensões do porto de Tubarão eram gigantescas na época, o ex-governador Arthur Carlos Gerhardt Santos conta um episódio da inauguração. O presidente Emílio Garrastazu Médici parecia não acreditar na capacidade de cada carregador automático – 16 mil toneladas de minério de ferro. No palanque, Médici inquiriu autoridades e técnicos até se convencer de aquele número fazia sentido. Só então contou a origem de sua incredulidade. É que, dias antes, num encontro com o ditador da Bolívia, o general Hugo Banzer se mostrava entusiasmado com um contrato de exportação de minério de ferro que acabara de assinar: a Bolívia embarcaria 16 mil toneladas também – por ano.

Levante-se a história dos últimos 30 anos do Espírito Santo: numa série de episódios decisivos para a atual organização do Estado, Christiano Dias Lopes Filho e Arthur Carlos Gerhardt Santos aparecem com destaque, trabalhando juntos no começo e sozinho depois.

Advogado que dirige atualmente uma faculdade de administração em Vitória, Christiano era do antigo PSD e lutou para ganhar o governo estadual do poder militar instalado em 1964. Governou de 1967 a 1970, assentando as bases do Espírito Santo moderno. Criou o sistema de incentivos fiscais, o banco de desenvolvimento estadual, o plano rodoviário “espinha de peixe” (assim chamado por tomar como eixo a BR-101) e uma série de projetos, entre eles o da Rodovia do Sol (Marataízes - Nova Almeida).

Engenheiro Civil que atualmente mantém um escritório de consultoria em Vitória, Arthur Carlos foi diretor do Departamento de Estradas de Rodagem na década de 50 e secretário de Planejamento e Obras no Governo tampão de Rubens Rangel, vice de Francisco Lacerda de Aguiar (1963-66), que largou o cargo pressionado por acusações de corrupção, nos primeiros tempos do regime militar.

Quando Christiano assumiu o governo, Arthur não chegou a deixar a administração pública, tornando-se o primeiro diretor da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo (Codes), embrião do Bandes, ambos criados em 1967. A dupla de sucesso nos tempos do plantio desfez-se no período seguinte, quando Arthur Carlos se tornou governador (1971-1974) e colheu os primeiros frutos daquele período lembrado como o do “milagre econômico brasileiro”.

Se na gestão de Christiano foram criados os incentivos fiscais, na de Arthur deslanchou o Centro Industrial de Vitória. Sob Christiano a cafeicultura capixaba foi penalizada com a erradicação dos cafezais improdutivos, medida que acentuou o êxodo dos campos para as cidades. Arthur financiou o plantio da variedade africana conilon, que em poucos anos tomaria conta da cafeicultura capixaba.

Seja quem for o pai do Espírito Santo moderno, Arthur e Christiano formaram uma dupla de sucesso nos primeiros momentos da Revolução de 1964. Foram eles os primeiros capixabas a admitir que a pobreza do Estado precisava ser superada com as mesmas armas usadas no Nordeste – os incentivos fiscais, fundamentais para expandir as poucas indústrias já existentes e viabilizar centenas de novas empresas de pequeno e médio porte.

‘Criamos o suporte’

Orgulhoso da obra que realizou em seu tempo de governo, Christiano Dias Lopes prefere não discutir sobre quem prestou mais serviços ao Espírito Santo como governador. Fiel a esse espírito, ao invés de dar uma entrevista, preferiu escrever um longo depoimento sobre a situação do Estado antes, durante e depois do seu período (1967-70). Eis uma síntese:

Década de 60 — "A década de 60 marcou a fase aguda de transição da economia capixaba. E não foi uma passagem tranqüila. Ao contrário, operou-se no vértice turbulento de uma crise sem precedentes na história capixaba, provocada pela aceleração da queda do café".

Agricultura — “Em 1950, a agricultura participava com 50,3% na composição da renda interna do Espírito Santo. O café representava 29,6%. Em 1960, a agricultura tinha caído para 41,8% e o café para 13,8%. Em 1967, o café chegou ao índice mais baixo, 4%".

Desemprego — "Foram erradicados 180 milhões de pés de café, liberando-se em torno de 150 mil hectares de terra. A mão-de-obra dispensada atingiu 60 mil empregos. Cerca de 18 mil empregos foram abertos na pecuária. Calculou-se na época que 30 mil pessoas passaram a morar em favelas".

Infra-estrutura — “Em 1967, o Espírito Santo era um Estado estrangulado em sua infra-estrutura: transporte, comunicação, energia elétrica, educação e saúde. A BR-101 e a BR-262 eram lentes, quase paralisadas. Na região Norte, apenas Colatina se comunicava por telefone com a capital. Em energia, o Estado tinha 1% da potência instalada do Brasil. Cerca de 39% das crianças de 7 a 14 anos não tinham escola. Em 17 municípios não havia médico".

Renda — “Em 1960, a renda per capita do Nordeste era de 13.500 cruzeiros antigos. A do Espírito Santo, 17.300. A do Centro-Sul, 49.000. Ficamos ilhados, economicamente achatados, sem participar do impulso dinâmico do Centro-Sul e sem gozar dos incentivos fiscais criados para o Nordeste".

Incentivos — "Durante os dois primeiros anos de governo (67/68), tentamos fórmulas 'para bloquear o esvaziamento econômico do Estado. O que se revelou viável foi permitir que os contribuintes domiciliados no Espírito Santo pudessem aplicar no Estado os incentivos para pesca, turismo e aquisição de ações. Restava mostrar aos governadores do Nordeste que a solução não prejudicava a receita da Sudene. Foi o que fiz em janeiro de 69. Não fui de pires na mão, como equivocadamente. às vezes, tem sido noticiado. O Espírito Santo queria mostrar que não era justo drenar recursos da sua combalida economia para desenvolver outras regiões".

Virada — "Deixamos o Espírito Santo equipado para a grande virada na história do seu desenvolvimento. Arthur Carlos Gerhardt Santos consolidou, em todas as áreas, os instrumentos de captação de recursos e de monitoramento das ações desenvolvimentistas. E partiu para a viabilização dos chamados Grandes Projetos, consoante a tese, que defendia, de que a industrialização do Estado não se consolida-ria através das pequenas e médias empresas. Os governos seguintes, até 1986, desarticularam, em boa parte, pela reforma ou extinção, nem sempre criteriosamente pensadas, a estrutura concebida e implantada. Mesmo assim, o que restou deu suporte ao Estado para as décadas seguintes. Essa grande virada só se realizou, em verdade, graças às condições favoráveis criadas no governo federal durante o regime militar".

‘Éramos um Nordeste’

Depois de governar o Espírito Santo, entre 1971 e 1974, o engenheiro Arthur Carlos Gerhardt Santos fez carreira na área empresarial, assumindo sucessivamente a presidência da CST, da Aracruz Celulose e do grupo Tristão. Nos últimos dois anos, toca a sua própria empresa de consultoria, onde continua se empenhando pelo desenvolvimento do Espírito Santo, com o entusiasmo e a confiança típicos da mentalidade desenvolvimentista que dominou o país nos anos 70.

No depoimento que fez ao Documento Estado, Arthur Carlos expôs o seu ponto de vista sobre alguns aspectos da economia e da política no Espírito Santo.

Administração estadual —"Eu passei muitos anos sem ter contato com a máquina burocrática. Agora, o que me surpreende é a deterioração da qualidade do pessoal empregado pelo Estado. A máquina perdeu enquanto a economia estadual dava um salto à frente".

 

Café — "A erradicação do café foi um grande benefício para o Espírito Santo. Em 1971, contra a vontade do IBC (Instituto Brasileiro do Café), nós financiamos o plantio de café conilon. Hoje, em menos da metade da área ocupada antigamente, nós produzimos três vezes mais café".

Incentivos fiscais — "O sistema de incentivos fiscais do Espírito Santo é um sucesso espetacular. Sem ele a maioria das empresas não se instalaria no Estado. Foi com o incentivo fiscal que se transferiu de Cachoeiro para o Centro Industrial de Vitória uma velha fábrica de cimento, que pôde ser inteiramente modernizada".

Grandes projetos — "Os grandes projetos, a começar pelo Porto de Tubarão, foram benéficos para a dinamização da economia. Veja por exemplo a escala das coisas quanto à energia elétrica: apenas uma turbina da CST, que funciona com o aproveitamento de gases do alto-forno, gera mais eletricidade do que Rio Bonito e Suissa, as duas maiores hidrelétricas do Estado na década de 60. Em Aracruz, onde a economia local era paupérrima, operam hoje 38 empresas criadas para atender às necessidades da indústria de celulose".

Qualidade de vida — "O padrão de vida melhorou muito no Espírito Santo, nos últimos 20 anos. A expectativa de vida do capixaba, que era igual à do Nordeste, agora equivale à do Rio Grande do Sul — a mais alta do Brasil".

Poluição — "Virou moda reclamar da poluição, por influência da falsa cultura do Augusto Ruschi. Ele disse que a CST provocaria uma nuvem de enxofre de 250 quilômetros! E, na verdade, a CST possui o menos poluente alto-forno do mundo, projeto japonês. O problema mais grave na CST está sendo negociado: é a coqueria, mais a aciaria, projetadas pelos italianos, com dados fornecidos pelos brasileiros. É claro que é preciso despoluir o ar de Vitória, como está sendo feito. Mas eu pergunto onde foi parar, o que fizeram com o projeto de zoneamento ambiental doado ao município da Serra pela empresa italiana Italimpianti na época da construção da CST. Na época ninguém ligou para isso".

Desenvolvimento — "Desenvolvimento é criar emprego. Não se cria o desenvolvimento com bloqueios. Há 20 anos, nossa arrecadação era abaixo de 1 milhão de dólares por mês. Agora, com crise e tudo, está entre 30 e 40 milhões. Nós éramos como o Nordeste. Agora, somente a Bahia e Pernambuco, entre os Estados nordestinos, arrecadam mais do que nós. Ora, nós estamos no caminho do desenvolvimento".

 

Fonte: A Gazeta - Documento Estado, 26/10/1992
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2015

Portos do ES

Corredor Centro-Leste e os indutores do desenvolvimento

Corredor Centro-Leste e os indutores do desenvolvimento

O sucesso do CTCL é a disposição da Companhia Vale do Rio Doce de abrir a Estrada de Ferro Vitória a Minas a outras mercadorias que não sejam apenas o minério de ferro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo
A dupla do milagre - Christiano Dias e Arthur Gerhardt

Seja quem for o pai do Espírito Santo moderno, Arthur e Christiano formaram uma dupla de sucesso nos primeiros momentos da Revolução de 1964

Ver Artigo
Dos trilhos para o mundo (Tradução para o inglês)

A história da ferrovia Vitória à Minas já estava essencialmente atada a CVRD quando dos quadros da ferrovia ascendeu para a presidência da empresa o engenheiro Eliezer Batista

Ver Artigo
A queda do Porto de São Mateus – Por Fernando Schwab Firme

Projetos não são problemas e sim a definição de sua utilidade e sua elaboração em resposta a uma demanda efetiva

Ver Artigo