Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte II

Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte II

Estas coisas envelheceram os códigos e vão fomentando um direito novo, ainda inconsistente, com as obrigações correlatas, e que se vai afirmando através da aluvião de leis dos últimos tempos

A Estrada de Ferro Vitória a Minas

A Estrada de Ferro Vitória a Minas

O Governo da nova República, baseado, aliás, na legislação que herdou do Império, concedeu privilégios a várias empresas particulares para construção e exploração do tráfego ferroviário

A origem da Praia da Costa

A origem da Praia da Costa

Ao tomar posse da Capitania do Espírito Santo em 1535, Vasco Fernandes Coutinho reservou para si uma área que veio a ser conhecida como " Fazenda da Costa".

Defesa da Capitania do ES - Por Edward Athayde DAlcântara

Defesa da Capitania do ES - Por Edward Athayde DAlcântara

Por que em 1702, vinte anos depois, se haveria de construir um novo forte no mesmo local, se em 1682 já se falava do Forte São Francisco Xavier?

PRESENÇA, Lição de Vida - Por Theomar Jones

PRESENÇA, Lição de Vida - Por Theomar Jones

A exemplo da Academia Brasileira de Letras a Academia Espírito-santense de Letras deveria ser a Casa de Kosciuszko Barbosa Leão

Homenagem de Renato Pacheco para Heribaldo Balestrero

Homenagem de Renato Pacheco para Heribaldo Balestrero

Em minha mocidade tornei-me amigo dos maiores intelectuais vitorienses, entre estes nomes, posso incluir, também o do historiador HERIBALDO LOPES BALESTRERO

Vitória-ES (Ação Declaratória) - Por Roberto Mazzini

Vitória-ES (Ação Declaratória) - Por Roberto Mazzini

Passei por ti, em caminho para o Convento, nos meus sete anos de idade mas dessa vez não te vi. Ou melhor, vi só o cais das barcas na praça Oito, ao lado da Alfândega, e o obelisco da Colonização equilibrado sobre quatro esferas de aço

Arte que não se perde

Arte que não se perde

O artista plástico Celso Adolfo consegue “salvar” obra do mosaísta Raphael Samú. O mosaico seria demolido

Não cantamos parabéns! - Por Judith Leão Castello Ribeiro

Não cantamos parabéns! - Por Judith Leão Castello Ribeiro

Em maio, mês em que se colhem flores para os altares da Virgem Maria, num domingo azul, sol morninho, lindo dia, tio Kosciuszko, com olhos de poeta, via o bailado negro das andorinhas no espaço, num painel de ampla janela aberta do seu quarto

Evocação - Por Theomar Jones

Evocação - Por Theomar Jones

Depois, visito Vitória e revejo Kosciuszko, o grande “causeur”, o mestre da língua. Poeta, o versejador de fina sensibilidade. Orador, o magnetizador dos auditórios.