Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cine Vitória

Cine Vitória

No dia 4 de outubro de 1950 a Avenida Jerônimo Monteiro ganhava uma sala que marcou muito o público capixaba, o Cine Vitória ou “Vitorinha” como era conhecido por causa de seu tamanho com 380 lugares. O cinema marcou a época por ser o primeiro da cidade a oferecer sessões contínuas a partir das 15 horas, e aos domingos e feriados a partir das 13 horas

Inscrições

Inscrições

Na inscrições do Farol de Santa Luzia podemos ler: sua construção e inauguração: "Reinando o Senhor D. Pedro II I. C. o Barão de Cotegipe, Ministro da Marinha, mandou construir este pharol, Engenheiro Zozimo Barroso e Construtores - P.A.W. Maclellan Glasgow. 1870"

Cine São Luiz

Cine São Luiz

O acervo documental referente a "História da Exibição Cinematográfica no Espírito Santo" iniciou no curso de Especialização Lato Sensu, do Departamento de História da UFES no ano de 2000, desdobrada na pesquisa de dissertação no Mestrado em História Social da Relações Políticas da UFES e que resultou no livro No Escurinho dos Cinemas

Cine Eden

Cine Eden

O primeiro cinema que se tem registro em Vitória foi o Éden Cinema, da companhia Camões e Mayo, inaugurado em 13 de janeiro de 1907. O local era todo de madeira e coberto de folha de zinco com capacidade para 150 pessoas

Cine Teatro Melpômene

Cine Teatro Melpômene

Durante a exibição de um filme, em 1924, no Teatro Melpômene ocorreu um princípio de incêndio que causou um imenso tumulto e deixou dezenas de pessoas feridas. O jornal a “Folha do Povo”, em 9 deoutubro de 1924, apresentava a seguinte manchete:

A história dos cinemas no ES

A história dos cinemas no ES

A história do cinema no Espírito Santo tem aspectos interessantíssimos a serem investigados adequadamente que demonstram como, desde os primórdios do último século XX, a sociedade urbana capixaba incorporou a ida ao cinema à vida cotidiana

De Santa Cruz à Barra do Riacho

De Santa Cruz à Barra do Riacho

A travessia do rio Santa Cruz fazia-se em canoa e, sendo as margens distantes, a corrente rápida e profunda, ficava o viajante com o coração miudinho, temendo pela sorte dos animais que tinham de atravessar a nado

A Era Vargas no ES - O Estado Novo

A Era Vargas no ES - O Estado Novo

Bley é novamente nomeado interventor federal em 25 de novembro de 1937. O Estado Novo manteve o mesmo interventor. Um pequeno acréscimo nos versos de famosa marchinha de carnaval talvez sintetize bem o desfecho político do início do Estado Novo no Espírito Santo: “Mulata, mulatinha meu amor, fui (outra vez) nomeado seu tenente-interventor”.

Em Linhares - D. Pedro II

Em Linhares - D. Pedro II

À noite, S. M. recolheu-se cedo, pois madrugadinha do dia seguinte, segunda-feira, ele despediu-se de Linhares, descendo o rio Doce de canoa até a barra onde passou para o Apa, rumando direito à Vitória, lá chegando ao entardecer do mesmo dia Transcrevo a parte do diário referente a esse percurso: Por Levy da Rocha

Cartografia de Vitória e ES

Cartografia de Vitória e ES

Ora, o nosso Espírito Santo serviu de território tampão durante muito tempo para as Minas Gerais fossem resguardadas de outros olhos ambiciosos. Para que, então, confeccionar cartas ou mapas ex-Capitania se elas serviam à nobre missão de resguardar os tesouros das Minas Gerais?