Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cessa o domínio dos descendentes do fundador - Por Mário Freire

Escultura de Vasco Fernandes Coutinho, obra de Hippolito Alves

Dos descendentes de Vasco Fernandes Coutinho, o último que deteve a donataria, Antônio Luiz Gonçalves da Câmara Coutinho, era ainda menor quando herdou a Capitania. Um alvará do Governador Geral descrevia o Espírito Santo, nessa época, por tal forma empobrecido que a arrematação dos dízimos não produzira mais de quatrocentos mil réis, por ano, para uma despesa ordinária do dobro, isto é, de cerca de 2 000 cruzados... Irredutíveis, os encargos eclesiásticos eram atendidos em primeiro lugar. Não havia, depois, com que satisfazer a própria redízima do Donatário, de cujo total ainda se deduzia o soldo do Capitão-mór. Entre outras despesas por pagar ficavam sempre os ordenados atribuídos aos oficiais da Fazenda. A tutora do Donatário ainda encontrou, contudo, a quem propor, em 1656, para Capitão-mór. É conhecida uma nova proposta da mesma tutora, formulada em 1664.

Uma reclamação do contratante da arrecadação dos dízimos provocou uma ordem da Bahia, permitindo vender livremente, a partir de 1660, toda a aguardente produzida no Espírito Santo.

Para as contribuições, em atraso, do donativo destinado ao dote da Rainha da Grã-Bretanha, o Governador autorizou o corte de pau-brasil em 1662; mas, ao chegar o produto à Bahia, a Companhia Geral, monopolizadora do transporte, recusou-se a fazê-lo: foi necessária uma nova ordem do Governo.

Seqüestrados por mandado da Mesa dos Três Estados, os engenhos de Marcos Fernandes Monsanto, situados em Guarapari, produziam, anualmente, para a Fazenda Real, mais de duas mil arrobas de açúcar. Apesar de reiterados apelos para com uma parte dessa renda, acudirem-se às dificuldades da Capitania, só por exceção o Governador Geral o permitiu em 1664. Baixara tanto o preço desse produto que não encontrara comprador a contribuição do engenho de Araçatiba (Arecetiba), arrendado a Bernardo Aires Samorá.

Dois anos depois, atingido o Espírito Santo pela epidemia de varíola, que atacou Rio de Janeiro, Bahia e outras Capitanias, a Fazenda Real teve de substituir os escravos mortos de bexigas, como então se dizia, nos de Guarapari.

Constava na Bahia estar em Castela o proprietário dos engenhos seqüestrados; houve, porém, o aproveitamento, em 1670, de um Capitão desse nome, Marcos Fernandes Monsanto, para o forte de S. João, em Vitória, por ter servido seis anos nesse presídio.

Uma patente régia dessa época investiu Agostinho Barbalho Bezerra; aclamado Governador, no Rio, quando o povo se revoltara contra Salvador Correa, de poderes especiais para descobrir as minas da serra das Esmeraldas, encontradas em 1611, afirmava-se, no sertão desta Capitania, por Marcos de Azeredo... Recordando esse descobrimento já os jesuítas haviam obtido autorização para uma "entrada" em 1633; Pretendiam, ao mesmo tempo, catequizar os indígenas de posse da região.

Completamente desiludido da existência de minas, e sem mais confiança em novas promessas de descobrimentos, o Governador Geral chegou a supor que Agostinho Barbalho pretendesse apenas perceber soldo; e proibiu pagá-los. Escreveu, todavia, ao Governador do Rio e aos Capitães-móres do Espírito Santo e mais Capitanias ao sul, recomendando-lhes fornecessem os auxílios de que carecesse. Em dezembro de 1666, esse sertanista ainda escrevia do Espírito Santo, solicitando mantimentos à Câmara de São Paulo, porque não os encontrara nesta Capitania. Foi morrer, no sertão; e a viúva teve de vender dois sobrados, que possuía no Rio, a fim de pagar os mantimentos dessa inglória jornada às esmeraldas...

A descrença, já manifestada pelos próprios governantes, não atingiu, contudo, à Corte, nem desanimou a outros sertanistas.

Fernão Dias Paes, com 66 anos, partiu de S. Paulo atravessou o sertão, explorou as cabeceiras do Rio Doce, e, em 1681, foi ter, afinal, a um sítio onde encontrou ferramentas, que atribuiu a Marcos de Azeredo. De volta, morreu abraçado a algumas pedras, berilos, águas marinhas e turmalinas, legando assunto para a epopéia do "Caçador de esmeraldas"...

Com a expedição de Wilhelm Glimmer, mineralogista holandês, que em 1601 acompanhou e Governador D. Francisco de Souza, ao sertão, pretende Euclides da Cunha encerradas as preocupações com o descobrimento da famosa Serra das Esmeraldas. Bastara o ter atraído, para os flancos do Espinhaço, indiferente a constantes malogros, um após outros, acentua o consagrado autor de "Os Sertões", sertanistas como Bruzzo Spinosa, Sebastião Tourinho, Dias Adorno e Martins Carvalho. A sedutora lenda perdurou ainda por muito tempo, despertando, como se vê, novas ambições...

Do Espírito Santo, empobrecido, continuaram saindo, anualmente, quase mil quintais ou cerca de 60 toneladas de pau-brasil, para os "donativos"!... Ainda estava armazenada na Bahia a remessa de 1664, quando, dois anos depois, chegou um patacho com 960 quintais. Nesse ano, o Visitador dos jesuítas recordava-lhes que essa madeira só podia ser vendida ao contratador.

Câmara Coutinho, em 1667, propôs um Capitão-mór, que o Rei nomeou. Durante esse governo não foi atendido mais um apelo para a Fazenda ceder uma parte do arrendamento dos engenhos de Guarapari, a fim de acudir à Capitania, cuja crise muito aumentara depois de um tributo extraordinário para a fábrica de fragatas no Rio. Por esse motivo, o Governador Geral diminuiu cem mil reis, na contribuição anual para os "donativos".

O Capitão-mór conseguiu melhorar as fortificações; mas o sucessor, em 1671, veio encontrar um atraso no pagamento daquela contribuição anual. E logo teve de cobrar um novo imposto, lançado com o protesto da Câmara, sobre o sal.

Uma sumaca que viera comprar açúcar, para vender em Buenos Aires, fora impedida de fazê-lo devido à proibição régia desse comércio.

Em 1671, divulgou-se uma vaga notícia de que o capitão Antônio Luiz Espinha descobrira minas no Espírito Santo; e foi registrada a patente de Brás Rodrigues Arzão, como Capitão-mór da Conquista, com a incumbência especial de castigar os bárbaros, que no interior, surpreendidos pelas "entradas" e "jornadas", estavam dizimando vassalos de sua Alteza.

A situação da Capitania tendia a melhorar, no último quartel do século.

Expandindo-se a obra colonizadora, Miguel Pereira da Costa requereu uma sesmaria no rio Tapemiri. Foi-lhe concedida em 1673. Coincide o movimento expansionista, observado nessa época no Espírito Santo e em outros pontos do Brasil, nota Caio Prado Junior, com, um acentuado êxodo de portugueses, atraídos, do Reino, pela colônia promissora. Desenvolveu-se melhor a grande lavoura denominada — de subsistência; e esta Capitania passou a abastecer, em grande parte, as praças próximas, do Rio e Bahia.

Pessoa de larga projeção na época, Almotacé-mor do Reino; Governador de Pernambuco; e, alguns anos depois, Governador Geral do Brasil, Câmara Coutinho preferiu solicitar permissão régia para alienar a Capitania.

Filho de Ambrósio de Aguiar Coutinho, era neto de Antônio Gonçalves da Câmara. Este fora casado com D. Maria de Castro, filha de outro Ambrósio de Aguiar Coutinho.

Foram os últimos Donatários, descendentes do Fundador.

Em 1674, foi a Capitania adquirida pelo coronel Francisco Gil de Araújo, descendente, pelo lado materno, de Caramuru, senhor de fartos cabedais e rico proprietário na Bahia pagou por ela 40.000 cruzados. Calcula o Padre Serafim Leite tri centuplicado o valor do dinheiro daquela época.

Pouco antes, escrevera o Padre  Antônio Vieira, a respeito do que vira no Pará: "Tudo quanto há na Capitania do Pará, tirando as terras, não vale dez mil cruzados, como é notório".

Anos depois, afirmava o Arcebispo da Bahia, escrevendo a André Furtado "Toda a Capitania dos Ilhéus não vale, vendida, o que Vossa Mercê quer que se lhe dê para livrá-la dos tapuias". André Furtado oferecera ao Arcebispo cinco mil cruzados, a fim de livrar os moradores dessa  Capitania das "hostilidades dos bárbaros"...

Nesse tempo, um engenho real de açúcar absorvia, só na instalação, segundo Roberto Simonsen, cerca de 10.000 cruzados. Construções privativas dos homens de cabedal e governo, segundo Antonil, havia-os de 40, 50 e 60 mil cruzados.

 

Fonte: A Capitania do Espírito Santo, ano 1945
Autor: Mário Aristides Freire
Compilação: Walter de Aguiar Filho/ junho/2015

História do ES

O primeiro mapa do Espírito Santo

O primeiro mapa do Espírito Santo

É de justiça assinalar o levantamento, em 1612, da primeira carta geográfica do território capixaba, por Marcos de Azeredo

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Nas Vésperas da Independência – Por Mário Freire

A última barreira do Siri, próxima à foz do Itapemirim, havia sido o extremo norte da fazenda, doada aos padres em 1702

Ver Artigo
Há duzentos anos passados... - Por Mário Freire (1945)

Reritiba assistiu, em 1742, um indígena que, durante uma procissão portara-se inconvenientemente, exaltou-se e conseguiu amotinar todo o aldeamento

Ver Artigo
A Independência no Espírito Santo - Por Mário Freire

O Ministro Manoel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, notável espírito-santense, que faleceu em 1857 como presidente do mais alto Tribunal do País

Ver Artigo
Após a Independência - Por Mário Freire

Dissolvendo a Constituinte em Novembro de 1823, Pedro I incumbiu o Conselho de Estado de organizar um projeto de Constituição

Ver Artigo
O Norte do Espírito Santo – Por Mário Freire

Atravessaram a Ponte da Passagem, construída com o nome de Ponte de Maruípe em 1799 ou 1800, Saint-Hilaire já a encontrou em mau estado 

Ver Artigo
Últimas observações de Neuwied e Saint-Hilaire - Por Mário Freire

Saint-Hilaire escreveu curiosas observações sobre algumas culturas, como a do algodão

Ver Artigo
O Herói de 12 de junho – Por Mário Freire

Varonil até o derradeiro instante, parte dele a ordem de atirar, ao pelotão do próprio fuzilamento! 

Ver Artigo
O Sul do ES no início do Século XIX – Por Mário Freire

Rubim descreve uma grande planície até a povoação de Guaranhum, inundável quando se não limpava a vala que conduzia as águas do rio da Costa 

Ver Artigo
O Governador Rubim - Por Mário Freire

Francisco Alberto Rubim, oficial de marinha, assumiu o governo em 1812. Mandou escrever em 1816 uma descrição da Capitania

Ver Artigo
Vitória Colonial – Por Mário Freire

O cientista Saint-Hilaire enumera os conventos de S. Francisco e do Carmo quase fora da Vila: o pavimento térreo do segundo já estava ocupado por soldados pedestres

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas - Por Mário Freire

Em Vitória foi erguido um templo a N. S da Conceição. Foi construído no prolongamento da Rua da Praia no ponto onde a Rua Graciano Neves atinge a Praça da Independência 

Ver Artigo
O Governador Tovar - Por Mário Freire

A vila do Espírito Santo ainda conservava os alicerces da primitiva alfândega, estabelecida nos primeiros dias da colonização

Ver Artigo
Primeiros dias do Século XIX – Por Mário Freire

O primeiro Governador no século passado, Antônio Pires da Silva Pontes era notável geômetra e astrônomo, com relevantes serviços na demarcação dos limites do Brasil 

Ver Artigo
Ao findar do Século XVIII – Por Mário Freire

O majestoso portão de acesso ao Convento da Penha conserva a data de 1774. Nessa época, ergueram, ao fim de penúltima volta da ladeira, uma capela ao Bom Jesus

Ver Artigo
Um cimélio do Arquivo Municipal - Por Mário Freire

A Prefeitura Municipal de Vitória possui uma planta datada de 1764 do capitão José Antônio Caldas, incumbido de apresentar as plantas de diversas fortificações desta Capitania 

Ver Artigo
Primitivas Matrizes – Por Mário Freire

Sobre o Reguinho, lodosa vala que, buscando o mar, derivava pelas atuais ruas Graciano Neves e Sete de Setembro, até a praça, agora, da Independência

Ver Artigo
De Francisco Gil de Araújo ao final do Século XVII - Por Mário Freire

A criação da Vila de Guarapari, em 1 de janeiro de 1679, foi um de seus mais celebrados atos 

Ver Artigo
Reincorporação da Capitania à Coroa - Por Mário Freire

Um velho mapa, rudimentar, de 1631 assinala o rio Doce como extremo da Capitania de Porto Seguro. Teria talvez influído para a Ouvidoria do Espírito Santo ficar limitada, por esse rio, com a Comarca de Porto Seguro

Ver Artigo
A Inquisição no Espírito Santo - Por Mário Freire

Uma ordem régia de 1720, por exemplo, proibiu aos barqueiros e canoeiros cobrarem passagens aos franciscanos, em viagem por mar ou rio, no trecho entre o Espírito Santo e o Rio de Janeiro

Ver Artigo
Surgem as Minas Gerais - Por Mário Freire

A quem descobrisse ouro ou prata, além do foro de fidalgo assegurara a propriedade das minas, com a obrigação apenas de pagar o quinto devido à Fazenda

Ver Artigo
Primeira metade do Século XVII – Por Mário Freire

Puderam os franciscanos ampliar, em 1637, a ermida da Penha, transformando-a em santuário; pouco depois, faziam o calçamento da ladeira

Ver Artigo
Segunda metade do Século XVII – Por Mário Freire

Os jesuítas, cuja rivalidade com os franciscanos era indisfarçável, tentaram apossar-se judicialmente do Santuário da Penha

Ver Artigo
Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Ver Artigo
Finda o século XVI no Espírito Santo - Por Mário Freire

A “Capitoa e Governadora” do Espírito Santo; por morte de filho de igual nome do Fundador, coube a donataria, em 1589

Ver Artigo
Primeiras ocorrências do Século XVII - Por Mário Freire

O velho Tombo do Convento registrou a invasão holandesa em Vitória. Durante a luta, as mulheres postaram-se na igreja da Misericórdia

Ver Artigo
Quando os Franciscanos e os Beneditinos chegaram - Por Mário Freire

Pedro Palácios em 1558, ergueu, uma pequena ermida a São Francisco; e iniciou mesmo a construção de uma capela, no alto pedregoso da colina

Ver Artigo
No tempo de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Uma das primeiras medidas administrativas do século XVII, foi, corno dissemos, completa proibição de tráfico ou comércio com estrangeiros

Ver Artigo
Primitivos Aldeamentos após a morte do 1º Donatário - Por Mário Freire

O desânimo que a todos ia empolgando, na Capitania, não atingia, felizmente, os jesuítas

Ver Artigo
Velhas Contendas - Por Mário Freire

A resolução régia de 1732 fez presumir ou considerar Campos pertencente ao Espírito Santo

Ver Artigo
Revoluções Liliputianas - Por Mário Freire

D. João V, que, indiferente aos protestos do povo, costumava repetir: "Meu Avô deveu e temeu; meu Pai deveu: eu não devo, nem temo"... 

Ver Artigo